domingo, 15 de abril de 2012

DESENCANTO

"Tenho medos bobos e coragens absurdas."
by Clarice Lispector




O tema da blogagem coletiva proposto para hoje é desencanto.
Justo o desencanto! Luma, você não podia ter escolhido outro tema? Que coisa!
Se o amor é o momento encantado em que dois corações se reconhecem como um só, o desencanto nada mais  é do que aquele instante trágico em que esse mesmo coração se desfaz em pedaços...
Nascemos e morremos só, mas neste intervalo tudo o que mais buscamos é uma réstia de esperança: a de sermos alguém especial para outro alguém, de sermos tocados pela magia do amor verdadeiro. A ilusão de vivermos nosso conto de fadas pessoal.
Complicado escrever sobre o desencanto, principalmente quando essa palavrinha tem o poder de recordar momentos que a maioria das pessoas preferiria esquecer totalmente. Quem já não teve sua cota de desilusão e desamores? Nunca é fácil revolver o baú de nossas dores. 
[Como sou chegada numa encrenca... resolvi topar a parada e aproveitar a oportunidade para  colocar pra fora alguns sapos mal digeridos. Aprendi certa vez uma lição valorosa: sapos não foram feitos para serem engolidos. Devem ser bem mastigados e depois cuspidos de volta, na cara de quem nos serviu. Desde então tenho feito o possível para retornar o braquiário ao seu remetente... apesar de não ser muito bonito, faz um bem danado!]
Enfim, o que é desencanto? 
Desencantar-se é perder o encanto, ver a magia evaporar-se, decepcionar-se, perder as ilusões, frustrar-se, ou... simplesmente cair na real. Não tem nenhuma graça definitivamente. Désenchanté, mes amis!
Para os que são sonhadores, como eu, o desencanto pode ser tão somente a visita - mal vinda - da verdade. É a realidade nua e crua batendo à nossa porte e nos acordando à força.
A experiência costuma machucar na maioria das vezes. 
Algumas vezes esse desencanto vem acompanhado de uma boa dose de clichês, no maior estilo de dramalhões mexicanos. Enredos cheios de mentiras, deslealdades e tudo o mais que se pode esperar de um folhetim brega, que na sua maior parte é patético. Aff, que ridículo! Todos os personagens caricatos se apresentam na maior falta de imaginação: vilões desalmados, bruxas invejosas, amigos interesseiros, vítimas desoladas e um rol de decepções e traições sem fim. Só tem graça para quem assiste, não para quem vive na pele a experiência. 
O perigo do desencanto não é a dor nem a desilusão com algo ou com alguém, isso faz parte do aprendizado. O assustador é perder o encanto por si mesmo. Aí que está o grande obstáculo a ser superado, não perder a fé na sua capacidade de superação e encontrar forças para seguir em frente e ser feliz apesar de tudo e contra todos, se necessário for.
Quem já sentiu o sabor amargo de uma grande tristeza sabe como ela corrói a alma, derrete num poço de ácido os sonhos mais caros e transforma em pó o que antes era luz e beleza. 
Desencanto abala corpo, coração e espírito, desestabiliza a vida de todos, até daqueles mais centrados e equilibrados, é capaz de derrubar e desnortear qualquer um. São momentos duros em que se duvida de tudo e de todos. A descrença é geral, a desconfiança toma conta e por um tempo o desiludido não vê uma saída daquele labirinto de sofrimento em que  está aprisionado. 
Aos que sobrevivem e se erguem há a satisfação de descobrir que se é mais forte do que imaginava, que seu lugar não é na lona... e que covardia nenhuma é capaz de o fazer desistir de ser feliz.
Pode haver prêmio maior que esse? Penso que não.
Se o desencanto é uma prova dura da qual poucos de nós serão poupados no decorrer da nossa passagem por essa terra, resta o consolo de saber que apesar de tudo, perder as ilusões não mata ninguém. E, ao fim nos ensina quem somos: sobreviventes, guerreiros e protagonistas da nossa própria história. 
Vai uma boa dose de desencanto por aí? 




Este post foi um oferecimente de Luz de Luma, yes party!
 Conheçam e participem também.


33 comentários:

  1. Eu sei que o desencanto fortalece ( ou nos faz ver que somos fortes e nem sabiamos). Ele tambem nos faz moudar, rever valores, comecar de novo.

    Mas a minha dose de desencanto eu passo, se nao for nenhum inconveniente...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, eu também queria passar a minha dose - amarga - de desencanto pra outrem... mas acho que não dá.

      Excluir
  2. Olá, querida Geiza

    "Tu és o orvalho que me beija"...
    (Meliss)

    Em pleno período pascal nos reencontramos para tecer o nosso Desencanto... entrelaçar partilhas de coração a coração...

    Devo lhe confessar que estou pasma com tanta verdade sobre o Desencanto...
    Vou destacar, por empatia total, a questão do ácido que corrói... é assim o desencanto pra mim também... é queimadura do maior grau... é fogo que queima sem deixar nada para depois...
    Gostei de tudo o que postou...
    Mas, permita-me dizer-lhe, com todo respeito, que vomitar na cara de quem nos desencantou não almejo fazê-lo pois seria, para mim, uma violentação do meu modo de ser... mas cada qual é de um jeito...
    Sou do silenciar-me e esperar de Deus o "troco" bem diferente do que o meu coração egoísta poderia querer dar... e mais Justo, certamente!!!
    Vc falou, tão acertadamente, do Desecanto e quando menciona o SENTIR NA PELE... puxa vida: só quem o sentiu na pela pode sentira a dor que rasga alma e coração!!! No mais, clichês... teorias... doses de otimismo??? Para o Desencantado soa como solução imediatista pra não ouvir chororô da dor alheia que nós nunca gostamos de sentir (ter empatia)... ou não queremos sentir...
    Vc resumiu um mundo de coisas sobre Desencanto num único post... que maravilha!!! Gostei muito!!!

    Obrigada por sua participação e nos vemos no próximo mês se Deus quiser!!!
    Bjs de Paz e Esperança junto com o meu carinho fraterno

    "Meu coração orvalhado
    pleno de gratidão,
    agradece a Deus"...
    (Élys)

    ResponderExcluir
  3. Sei que não é muito bonito, nem cristão dar o troco... a bem da verdade não sou muito boa nisso, não quando envolve sentimento profundos.
    Acabo no fim, aguardando o momento em que o outro vai se dar mal por obra e des-graça própria. O que, cedo ou tarde acontece. Não sou vingativa, mas não nego que aprecio quando vejo a justiça ser feita e o mal ser vencido.
    Sem dúvidas me sinto bem com isso, ah... pode não ser bonito, mas confesso que é verdade. Sapos não foram feitos pra serem engolidos, não mesmo.
    Tenho muito ainda a desenvolver, aprender a dar a outra face, por exemplo. Sou um ser em aperfeiçoamento afinal. Caso contrário, não estaria aqui. Obrigada pelas palavras de carinho.

    ResponderExcluir
  4. Desencanto, ao ler cada blog participante as lembranças voltam, e doi, mas fortifica.
    belo texto o seu e gostei do blog.
    beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Mary,
      Seja sempre bem vinda aqui no meu cantinho... e vc está certa, lembrar não é fácil, mas é sempre bom constatar que passou, e que estamos aqui, firmes e fortes. Cair, todos caem um dia, o que importa é levantar e seguir em frente.

      Excluir
  5. Acho que esse foi o texto mais difícil EVER para escrevermos. Tenso, mas necessário.
    Beijo!
    http://migre.me/8GBkK

    ResponderExcluir
  6. Geíza, vocÊ É LINDA! e escreve deliciosamente bem. Destaco sobremaneira esta frase que dá o que pensar!"O assustador é perder o encanto por si mesmo. Aí que está o grande obstáculo a ser superado, não perder a fé na sua capacidade de superação e encontrar forças para seguir em frente e ser feliz apesar de tudo e contra todos, se necessário for." Sábia, muito sábia! Chave de ouro! Grande abraço! Fiquei!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obriga Maria Luiza pelas palavras de carinho... seja bem vinda ao blog.
      Não é fácil msm escrever sobre esse tema, dói.

      Excluir
  7. Olá Geiza!
    Isso é que foi mastigar e cuspir sapos, hein!
    Gostei do resultado. Ficou limpinha. Seu texto está super completo. Adorei.
    Beijinhos além-mar.
    Rute

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Rute...
      Engraçado com a gente msm nunca fica satisfeita com o resultado, mas é tão bom receber esse feed back e sentir que de alguma forma passamos perto do nosso objetivo.
      Sapos não foram feitos p serem engolidos, rs.

      Excluir
  8. Oi Geiza!
    Estou passeando pelos blogs da BC e gostei muito da sua participação, foi forte, impactante. A vida é assim mesmo de altos e baixos vivemos, com encantos e desencantos que t~em o poder de nos mostrar a nossa capacidade de superação.
    Beijinhos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Valéria.
      Tem razão, a vida é assim mesmo, uma montanha russa em alta velocidade, não é para covardes! No fim, acaba valendo a pena...
      Bjks.

      Excluir
  9. Geiza, que coisa mais linda a sua postagem!
    amwei o trecho:
    "Enfim, o que é desencanto?
    Desencantar-se é perder o encanto, ver a magia evaporar-se, decepcionar-se, perder as ilusões, frustrar-se, ou... simplesmente cair na real. Não tem nenhuma graça definitivamente. Désenchanté, mes amis!
    Para os que são sonhadores, como eu, o desencanto pode ser tão somente a visita - mal vinda - da verdade. É a realidade nua e crua batendo à nossa porte e nos acordando à força."
    Parabéns
    Sandra
    http://projetandopessoas.blogspot.com//
    A experiência costuma machucar na maioria das vezes.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sandra, obrigada mesmo pelo incentivo. Apareça sempre, a casa é nossa. Bjks.

      Excluir
  10. hehehehe estamos fatiando o amor! E quem disse que amar é uma viagem suave, não viveu nada!!
    Geíza, você tem uma maturidade sobremaneira e seu textos não precisa de retoques! Sinta-se satisfeita, pelo menos é o que sinto!
    Prefiro não mastigar os sapos. Até finjo que não vi. Você viu? Nem eu... rs.
    Obrigada por participar da blogagem!!
    Peninha, não ganhei sorteio... :(
    Beijus,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Luma...
      Kkkkkkkkk, tem horas que fazer de conta que não viu é bom, mas noutras... ah, custei mas aprendi o sabor de mandar o sapão às favas! Demora, mas um dia a gente aprende, rs.
      Melhor sorte no sorteio do ano que vem, quem sabe?

      Excluir
  11. Boa abordagem, realmente. E com uma forte nota de esperança no final, com a qual eu concordo inteiramente.

    Uma excelente semana para si e quem desejar

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, e sinta-se a vontade... a casa é nossa.

      Excluir
  12. Olá, Geiza!

    Seu texto me encantou, apesar de tratar sobre o desencanto, rsrs
    Você, com uma dose sutil de humor, abordou o assunto com propriedade. Concordo com seu pensamento, e mais especialmente, com a advertência de que, o mais assustador do desencanto, é que perdemos a graça por nós mesmos, e isto é, de fato, terrível. Precisamos estar atentos, para vencer os desencantos, pois, afinal, ele maltrata, mas, não mata, né? rsrs
    Excelente participação.

    Grande abraço
    Socorro Melo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exato, Socorro... maltrata mas não mata. Ensina a viver. Obrigada pelas palavras estimulantes. Seja bem vinda ao blog. Bjks.

      Excluir
  13. Olá, Geíza!Como você escreve deliciosamente bem!Transmitiu exatamente como uma pessoa se sente em pleno desencanto, mas também como renasce das cinzas, qual Fenix!E não faltou uma certa dose de humor! Participação perfeita!Adorei!
    Beijinhos, do outro lado do Atlântico

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lina, também gosto muito do seu estilo de escrever... é uma delícia ler seu blog em "português made in Portugal", rs. São pequenas diferenças, mas que dão todo um sabor especial, leio e fico me lembrando do sotaque, do modo de falar dos patrícios... é especial. Adoro a terrinha mãe, tive o prazer de conhecer Lisboa, Porto e Fátima e me apaixonei perdidamente.
      Bjks.

      Excluir
  14. Você tem razão, o desencanto nos lev ao fundo do poço, nos acaba fisica e espiritualmente, nos corrói por dentro, mas quando superamos, saímos fortalecidas e mais experientes. bjus

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nane, obrigada... e bola pra frente, que no fundo desse poço tem uma big mola chamada esperança que nos eleva. Pra cima e avante! Bjks.

      Excluir
  15. Olá GÊ
    Gostei imenso de ler o seu texto, o desencanto muito bem abordado, bem explicado, bem exemplificado, sempre com palavras sábias, que tornaram o texto muito agradável de ler. Também gostei da sua forma de não engolir sapos (rsrs), bom conselho! :)
    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. No more FROGS, never more, rs.
      Obrigada pelos elogios, Cláudia. Seja sempre bem vinda, esse canto é nosso. Bjks.

      Excluir
  16. A minha dose com gelo e limão, assim, já deixo pronta a limonada, Geíza.
    Amei teu enfoque clareador de todas as faces que envolvem os desencantos e confirmo o alerta sobre o perigo maior: perder o encanto por si mesmo.
    ___ Atenção, corações machucados, cuidem-se bem, pois há cura.
    Foi uma clara e importante participação.Bravo!!!
    Bjos,
    Calu

    ResponderExcluir
  17. Calu, essa foi ótima... vou pedir uma igual quando tiver que tomar outra dose dessas. Realmente, perder o encanto (e o amor) por si mesmo é o maior perigo. Não há como amar a outrem sem amar a si mesmo primeiro. É tão reconfortante quando vemos que nossos rabiscos foram compreendidos, obrigada pelo comentário carinhoso. Apareça sempre. Bjs.

    ResponderExcluir
  18. Geíza, o que não nos mata nos fortalece! Ninguém está livre dos desencantos, o bom (ou menos pior, rs) é aprender alguma coisa com eles. Adorei a parte que você fala de devolver os sapinhos - no estilo e na elegância, hehe. Parabéns pelo texto, desenvolvimento perfeito! Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu e meus sapinhos e vc com o disque-pizza. A gente se vira!
      Obrigada pela visita, volte sempre. Bjks.

      Excluir
  19. A gente pensa que nunca vai acontecer conosco, pois só nas histórias de príncipes, mas infelizmente acontece e sofremos, mas tudo passa.O tempo se encarrega disso!
    Paz e bem

    Estou atrasada com meus comentários!

    ResponderExcluir

Falaê...

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...